Ville-Close

with Nenhum comentário

Atravessando uma ponte chega-se à entrada principal da Ville-Close. Além desta, há ainda a Porte au Vin, a Porte des Larrons e a Porte du Passage.

Logo na entrada, avista-se o Beffroi (um campanário) e dois canhões. Na lateral do Beffroi há um relógio solar que possui na parte superior a inscrição em latim "Tempus  Fugit Velut  Umbra” e sua tradução na parte inferior "Le Temps Passe Comme Une Ombre” (o tempo foge como uma sombra).

Dentro da Ville-Close, as ruas com calçamento de pedra possuem, de um lado e de outro, lojas de roupas, de artigos de presentes, artesanato, produtos locais, restaurantes e bares. De repente, chega-se a uma grande praça, a Place Saint-Guénolé, que possui ao centro uma fonte bastante curiosa, datada de 1856: um crocodilo tendo entre suas presas um peixe que sustenta uma lâmpada; ao seu lado, uma lontra e uma tartaruga.

Nesta praça, um lugar que chama a atenção pelos detalhes de sua decoração é a Maison du Kouign-Amann, que vende um dos produtos típicos da região: o Kouign-Amann.

Em minhas pesquisas, descobri que muitas cidades reivindicam a invenção deste pão. O site da Boulangerie des Plomarc’h diz que foi criado em 1860 na cidade de Douarnenez, na Bretanha, pelo padeiro Yves René Scordia.

Em dia de grande movimento, precisando aumentar rapidamente a oferta de produtos, ele usou a massa de pão, dobrando-a em diversas camadas com bastante manteiga e açúcar, criando um bolo de massa folhada, com uma crosta dourada e caramelada. Enfim, se você gosta de manteiga, prove. Eu provei, mas como não gosto não posso dizer se é mesmo bom, pois o gosto é bem pronunciado.

Não deixe de passear pelas muralhas. Elas medem 980m de coprimento, possuem uma espessura que varia entre 2,5 e 3 metros e oferecem uma bela vista da marina e do porto interior. Em sua extensão, contam-se 8 torres: Tour du Gouverneur, Tour du Major, Tour Neuve, Tour de Porte au Vin, Tour du Passage, Tour du Port aux Chiens, Fer à Cheval, tour du Maure, Tour de la Fortune.

Ao sair pela Porte de Passage, vê-se um pequeno barco, o Passeur, que desde a Idade Média liga a Ville-Close ao bairro Lanriec, do outro lado do canal que leva do mar aberto ao porto interior. Acredita-se que este barco tenha começado a funcionar em 1678. Cobrindo uma distância de apenas 200m, a travessia”, que dura 5 minutos, é conhecida como “o menor cruzeiro do mundo”. Do outro lado, tem-se uma bela vista da saída da marina e do mar aberto, e também da Ville-Close.

Passe o mouse nas imagens para ver a descrição ou clique para aumentar.

Comentários