Concarneau | Para onde?

Concarneau: ville bleue

with Nenhum comentário

A "cidade azul" (o nome tem origem na cor das redes dos pescadores) é um lugar agradável e tranquilo, com uma parte intramuros que data do século XI.



O nome Ville Bleue (cidade azul) tem origem na Festa das redes azuis, realizada desde os anos 1900 no último domingo de agosto.

A rede azul é usada pelos pescadores para melhor atrair os peixes. Porém, as sardinhas, que eram a pesca principal, tornaram-se escassas e a festa foi criada em solidariedade aos pescadores.

Atualmente a festa compõe-se de um festival de música, danças populares e bagadoù (uma gaita de fole), e termina com a eleição de uma rainha e fogos de artifício.

A história de Concarneau começa na Idade Média, na pequena Ilha de Conq. A partir do século XI, a cidade começa a se desenvolver, estando totalmente murada no século XV. É o que hoje é conhecido como Ville-Close, o centro histórico intramuros, localizado no fundo de uma baía onde o rio Moros se encontra com o mar.

O desenvolvimento econômico da cidade sempre esteve ligado ao mar, principalmente com a pesca da sardinha, e mais tarde com a pesca do atum-voador. Na metade do século XIX, são instaladas diversas fábricas de conservas e, ainda hoje, vê-se muitas lojas vendendo estes produtos. São as conserveries.

Antes de viajar muita gente me perguntava: por que Concarneau? E mesmo durante a viagem, os franceses me faziam a mesma pergunta e ainda acrescentavam: uma brasileira em Concarneau?

Ora, por que não? Quando consultei o mapa, vi que a cidade ficava numa boa posição para conhecer a região. Além do mais, possui uma bela cidade intramuros, é uma cidade pequena e encontrei um bom apartamento, do jeito que gosto: claro, arejado e bem localizado. Para completar, há o mar, logo ali, na porta! A rua da praia, a Corniche, segue ao longo do mar. As praias, Rödel, des Dames, du Minez ou de Cornouaille, seguem-se umas às outras, com diversos estacionamentos e espaços com bancos e praças. É um ótimo local para se apreciar do por do sol. 

A cidade propõe vários circuitos para passeios a pé ou de bicicleta, ao longo do mar ou na parte interna. Veja aqui.

E foi ótimo. Pude visitar diversos vilarejos vizinhos e alguns um pouco mais longe. E, ao voltar, ainda podia ir à praia, dar um mergulho para tirar o estresse da estrada.

Em setembro, com o tempo ainda bom, o centro é bastante animado à noite, com bares e restaurantes sempre cheios.

Simplesmente adorei minha estadia. É uma cidade super tranquila. Conheci alguns moradores e, quando estávamos em um bar, eu com  minha bolsa sempre sobre o colo, me disseram: "sabe, você pode largar a bolsa, colocá-la pendurada no encosto da cadeira. Estamos em Concarneau e aqui não tem problema". Parece que não tem mesmo, pois estavam com o celular sobre a mesa, tranquilamente. O que fiz? Continuei com a bolsa no colo e respondi: "não posso ficar mal acostumada".

 

 

POR ONDE ANDEI

Porto pesqueiro e marina
with Nenhum comentário

A partir dos anos trinta, o desenvolvimento da pesca vai provocar grandes transformações portuárias. Após a Ocupação, o porto pesqueiro, chamado de porto anterior, é modernizado e conhece um grande crescimento. Anos mais tarde, adapta-se às novas normas europeias transformando-se … leia mais

Passage Lanriec
with Nenhum comentário

Um pequeno barco, o bac du passage, ou Passeur, faz a travessia da Ville-Close ao bairro Passage Lanriec (Place Duquesne) pelo canal de acesso ao porto. Seu nome deve-se à sua situação: era uma passagem obrigatória na rota que ligava … leia mais

Ville-Close
with Nenhum comentário

Atravessando uma ponte chega-se à entrada principal da Ville-Close. Além desta, há ainda a Porte au Vin, a Porte des Larrons e a Porte du Passage.Logo na entrada, avista-se o Beffroi (um campanário) e dois canhões. Na lateral do Beffroi há um … leia mais

GALERIA

Passe o mouse nas imagens para ver a descrição ou clique para aumentar.

Comentários