Normandia | Para onde?

Normandia

with Nenhum Comentário

Um nome que evoca pintores impressionistas, praias que ficaram na hostória do Dia D, e um mosteiro numa ilha que mais parece saída de um conto - o Monte Saint-Michel, sem esquecer a tapeçaria de Bayeux e a cidade de Rouen, onde morreu Joana d'Arc.

No campo gastronômico, tripas à moda de Caen, queijos como Camembert, Livarot, Pont-l'Évêque, frutos do mar (ah, eu adoro coquilles Saint-Jacques), bebidas como cidra e Calvados.

Estive na Normandia várias vezes, muitas delas em cidades isoladas e não posso dizer que conheço bem a região. Numa dessas vezes, fiquei uma semana em uma casa alugada, num povoado tão pequeno, mas tão pequeno, que nem sei se chamamos de povoado ou se haveria uma outra denominação. O trem já parou ali; há uma casinha onde ficava a estação como prova. Tirando isso, na entrada do povoado, numa outra casinha, há uma venda onde é possível comprar pão, queijos, frios, bebidas, frutas, legumes e outras coisas que me salvaram quando me esquecia de passar no mercado. A dona é super agradável e muito sorridente. Pelo caminho, vacas e cavalos. O nome do lugar? Crouay.

Mas a Normandia também é sinônimo  de uma costa lindí­ssima: são 640km de belas paisagens, praias de areia fina, falésias de tirar o fôlego como as da Côte d’Albâre (a Costa de alabastro). Há, ainda, a Côte Fleurie (Costa florida) e a Côte de Nacre (Costa de madrepérola).

Os lugares mais conhecidos, pelo menos dos brasileiros, são Giverny e a casa de Monet, Étretat e suas falésias, o Monte Saint-Michel e seu mosteiro, e Honfleur. São lugares que adoro, que já visitei mais de uma vez e que sempre me surpreendem.

Mas, vem comigo que vou te mostrar, além desses lugares, as ruínas do Châeau Gaillard - o castelo de Ricardo Coração de Leão, a bela Petit Andely, que se avista deste castelo, algumas praias que ficaram na história e a charmosa Lyons-la-Forêt - onde viveu Ravel.

POR ONDE ANDEI

Arromanches-les-Bains: no coração das praias do desembarque
with Nenhum Comentário

Arromanches, cidade balneária que ficou conhecida pelos portos artificiais planejados para a invasão das tropas aliadas, montados em sua baía.

Château Gaillard: o castelo de Ricardo Coração de Leão
with Nenhum Comentário

As ruínas do castelo, construído em apenas dois anos, inspiraram escritores e pintores.

Étretat: entre falésias e mar
with Nenhum Comentário

“Se eu tivesse que mostrar o mar a um amigo pela primeira vez, escolheria Étretat para isso.” (Alphonse Karr)

Giverny: na casa de Monet
with Nenhum Comentário

Dizia o pintor: “nesta cidade, de charme intemporal, a luz é diferente de qualquer outro lugar”.

Honfleur: um porto pra lá de charmoso
with Nenhum Comentário

O slogan da cidade, como em nenhum outro porto, faz um pequeno trocadilho com “como em nenhuma outra parte”. E é a mais pura verdade.

Monte Saint-Michel: um lugar mágico
with Nenhum Comentário

O Monte Saint-Michel é um lugar mágico que parece saído de um livro de contos de fada: para mim, um sonho que virou realidade; uma realidade que pareceu um sonho.

Port-en-Bessin-Huppain: uma cidade portuária com mais de mil anos de história
with Nenhum Comentário

Um porto, mais de mil anos de história, e uma falésia de tirar o fôlego.

VIAJANDO PELA REGIÃO

Étretat, Le Petit Andely, Giverny e o Château de La Roche-Gouyon foram lugares visitados em outras viagens, uma delas partindo de Saint-Malo em direção a Paris, em 2016 (nessa mesma viagem, pernoitei em Honfleur, depois em Étretat e em Rouen, antes de chegar a Giverny. Dali fui visitar Le Petit Andely e o Château de La Roche-Gouyon, passando pelo Château Gaillard, mas não tive tempo de visitar as ruínas).

Lyons-la-Forêt e Château Gaillard conheci num passeio de um dia, partindo de Paris, de carro (achei as ruínas do castelo e a paisagem tão bonitas, que acabei voltando). Gostaria de ter passado uma noite na cidade de Lyons.

O Monte Saint-Michel é um caso à parte. Estive por lá diversas vezes; uma delas, na viagem que abrangeu as praias do desembarque e, também, em 2016, logo ao chegar à França, partindo de Paris e parando ali por duas noites para seguir em direção à Bretanha.

Distâncias a partir de Paris (percurso mais rápido, indicado em Google Maps):

- Château Gaillard: 99,5km > Le Petit Andely - 1,4km

- Étretat: 206km

- Giverny: 75km > Château de La Roche-Gouyon 9,1km

- Lyons-la-Forêt: 102km > Château Gaillard 25,3km

-  Monte Saint-Michel: 359km

Cidade base: Crouay / Tempo de estadia: 7 dias

Um roteiro com visitas a algumas cidades que tiveram grande importância no Dia D da Segunda Guerra Mundial.

Chegando a Crouay de carro, partindo do aeroporto de Orly, em Paris. Hospedagem num gîte (uma casa no campo), perto de Bayeux. Os proprietários moram no mesmo terreno, onde possuem outra casa para alugar e alguns quartos no esquema de "chambres d'hôtes" (em inglês, bed and breakfast).

Partindo de Crouay (distâncias relativas ao percurso mais rápido, indicado em Via Michelin), passeios de um dia (dependendo do interesse de cada um, é possível visitar mais de uma cidade no mesmo dia):

- Arromanches-les-Bains: 19km

- Bayeux: 9km

- Courseules-sur-Mer: 30km

- Honfleur: 102k

- La Pointe du Hoc (em Cricqueville-en-Bessin): 26km

- Le Mont Saint-Michel: 119km

- Longues-sur-Mer: 15km

- Omaha Beach: 15km

- Port-en-Bessin: 11km

Comentários