hospedagem

(GIVERNY)

Data de hospedagem: setembro/2016

Já estava na França quando fiz minha reserva. Foi de última hora e pelo telefone. Apesar de ter visto as fotos no site, fiquei muito impressionada ao chegar. Que lugar lindo! A proprietária me fez uma enorme gentileza: eu havia reservado um quarto com banheira (era o que cabia no meu orçamento), mas comentei que seria difícil tomar banho, seria preciso me ajoelhar na banheira (eu prefiro chuveiros). Ao chegar, ela disse que havia me colocado em outro quarto, com ducha, pelo mesmo preço.

Era o quarto Chine, cuja entrada é pelo pátio interno. O quarto é enorme, muito claro e arejado, e ainda possui um outro cômodo ao lado, em frente ao banheiro, com uma cama de solteiro, o que permite que abrigue três pessoas no total.

A decoração de toda a propriedade é de muito bom gosto: pedra, madeira antiga, percebe-se a atenção aos detalhes.

Na frente da casa há um grande jardim, muito bem cuidado. Conversando com o proprietário, me pareceu que jardinagem é seu passatempo favorito.

O lugar é tranquilo e os proprietários são super atenciosos. A casa possui cinco quartos no esquema de chambres d'hôtes (ing. bed and breakfast), além de mais duas casas menores na propriedade. O espaço também é usado para recepções.

Passei apenas uma noite mas gostaria de ter ficado mais tempo.

No site, pode-se ler a história da propriedade, que começa no século XIII, quando servia de depósito para o dízimo, imposto que se pagava à igreja antes da Revolução francesa. No caso, o dízimo era a décima parte do gado e da produção vegetal, guardado ali antes de ser entregue ao clérigo da abadia de Saint-Ouen de Rouen.

Depois foi transformada em casa agrícola e no início do século XX foi adquirida pelos Etablissements Féron, viveiristas, jardineiros e horticultores, que a transformaram em uma casa para a família, acrescentando uma torre quadrada, envidraçada, para servir como ateliê.

Em 1920 a propriedade foi vendida a Teddy Tougouat, pintor impressionista americano que ali se instalou, recebendo pintores e artistas como o poeta Louis Aragon, o poeta, crítico de arte e ensaísta Micheil Liris e a bailarina Isadora Duncan.

Mas na década de 1990 a casa ficou abandonada, ao sabor do tempo até que, em 2014, foi adquirida pela família Bonnet que, após dois anos de reforma, a transformou no que vemos hoje: uma maison d’hôtes (B&B) e sala de recepção.

Passe o mouse nas imagens para ver a descrição ou clique para aumentar.


La Dîme de Giverny: maison d'hôtes - réceptions

2, rue de la Dîme - Giverny / Tel: 00 33 6 20 83 28 90